Médico é preso em Goiás sob suspeita de ter violentado mais de 40 mulheres

Outras mulheres ainda devem ser ouvidas pela investigação nos próximos dias, o que pode fazer o número de vítimas aumentar, diz a delegada Isabella Joy Lima e Silva, responsável pelo caso.

Por Juka Martins em 04/10/2021 às 09:40:44

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) — Suspeito de ter cometido violência sexual contra dezenas de mulheres, o médico Nicodemos Júnior Estanislau Morais, 41, foi preso nesta quarta-feira (29) pela Polícia Civil de Goiás — mas de 40 vítimas já testemunharam contra o homem até o momento.

Outras mulheres ainda devem ser ouvidas pela investigação nos próximos dias, o que pode fazer o número de vítimas aumentar, diz a delegada Isabella Joy Lima e Silva, responsável pelo caso.

A delegada afirmou que recebeu em setembro uma queixa contra o médico na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Anápolis, a cerca de 60 quilômetros de Goiânia. Pesquisando no sistema, ela descobriu outros dois registros feitos por outras duas mulheres contra ele que ainda não haviam sido investigados.

Uma dessas ocorrências foi registrada em 2020 por uma paciente que relatou que o médico teria penetrado com os dedos em sua vagina e comentado que, "se ela tivesse esperado mais, teria gozado". Os relatos, segundo a delegada, indicam suposta violação sexual mediante fraude, já que ele se utilizaria da profissão para cometer os crimes.

"Nós ouvimos essas vítimas, vimos que os casos eram parecidos, o modo operante, comecei a verificar que ele tinha CRM (registro obrigatório para prática da medicina) em vários estados do país e fui ligando os fios. Consegui inquérito de uma vítima do Distrito Federal, com sentença condenatória, consegui registro de ocorrência de uma vítima do Paraná [um caso arquivado]. Então a gente abriu o inquérito com mais robustez e representamos pela prisão preventiva", explica a delegada.

Em depoimento à polícia, o médico disse que não há nada de cunho sexual em seu trabalho e que as perguntas são necessárias em sua profissão.

Por meio de nota, o advogado de Morais, Carlos Eduardo Gonçalves Martins, disse que ainda não teve acesso à íntegra do processo e que algumas pacientes teriam se prontificado a prestar depoimento em favor do médico.

"Até onde a defesa teve acesso ao inquérito consta somente o simples exercício profissional do médico Dr. Nicodemos, especialista em ginecologia, o médico em nenhum momento realizou qualquer tipo de procedimento médico com cunho sexual", disse a nota.

"O Dr. Nicodemos recebe com tranquilidade qualquer ato investigatório sobre sua atuação como médico ginecologista, desde que os atos sejam feitos com imparcialidade e isenção de ânimos".

"Além das perguntas que ele fazia sem nexo com a ginecologia, ele manipular as vítimas, fazer penetração com os dedos, não só como toque, perguntar se a vítima estava gozando, sentindo prazer, fazer com que a vítima pegasse no órgão sexual dele, isso vai muito além de uma consulta ginecológica, já passaria para um crime", afirma a delegada do caso.

O Cremego (Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás) diz que tomou conhecimento das denúncias depois da divulgação do caso pela polícia e que irá apurar a conduta do médico.

Uma das mulheres que prestou depoimento nesta quinta-feira, Kethleen Carneiro, 20, contou que teria sofrido abuso quando tinha entre 12 e 13 anos. Ela contatou a polícia depois das primeiras denúncias contra o médico terem sido reveladas pela imprensa.

À Folha de S.Paulo, ela contou que procurou o médico devido a uma suspeita de cisto no ovário. Em determinado momento da consulta, disse ela, o médico pediu que a mãe da menina saísse da sala. Kethleen lembra que ele falou sobre ponto G, passou a mão nela e, depois que ela já estava vestida, sentada na cadeira, mostrou quadrinhos, fotos e vídeos com conteúdo pornográfico dizendo que ela deveria começar a se masturbar.

"Dizendo que homem era diferente de mulher, mulher não era tão visual, que tinha que ter uma história por trás e me mostrando os links que eu podia entrar e ver esses quadrinhos, essas histórias pornográficas. Aí ele levantou e falou: "deixa eu te mostrar a diferença entre homem e mulher", e colocou a minha mão no órgão genital dele, que estava ereto", lembra ela.

"Eu não contei para ninguém na época, porque eu não tinha noção que aquilo era um abuso. Eu era muito nova, fiquei também com vergonha de contar para a minha mãe e a minha família. Minha mãe só foi saber ano passado e hoje com detalhes, quando fui à delegacia".

clickpb

Comunicar erro

Comentários