Google apresenta celular com chip projetado 'em casa'

Pixel 6 conta com chip Google Tensor e segue passos do iPhone, que também utiliza 'cérebro' feito pela própria Apple. Modelos não costumam ser lançados no

Por Redação em 02/08/2021 às 21:16:41
Pixel 6 conta com chip Google Tensor e segue passos do iPhone, que também utiliza 'cérebro' feito pela própria Apple. Modelos não costumam ser lançados no Brasil. Google revela primeiros detalhes do Pixel 6

Divulgação

O Google revelou nesta segunda-feira (2) uma prévia do Pixel 6, nova versão do celular de fabricação própria da empresa. A grande novidade desta geração é a utilização de um chip projetado "em casa", chamado Google Tensor.

O Tensor é um "sistema em um chip", ou SoC (como é chamado em inglês), que reúne componentes como processador, unidade de gráficos, modem 5G, entre outros.

A empresa não deu detalhes específicos sobre esses itens, mas disse que o chip do seu novo telefone terá uma unidade específica para operações relacionadas com inteligência artificial (IA) e outra para segurança, chamada Titan M2.

LEIA MAIS: Google apresenta Android 12 com novo visual; veja o que muda

Com essas adições, o Google promete oferecer um processamento "mais poderoso" nas fotos e vídeos, além de uma experiência mais refinada nas funções de reconhecimento de voz (saiba mais abaixo).

Os novos Pixel ainda não têm data de lançamento nem preço definidos, mas esses devem ser os modelos que encabeçam a linha de celulares do Google.

A expectativa é que fiquem próximo da faixa dos US$ 1.000 (cerca de R$ 5.130, na cotação atual) e cheguem aos EUA até o final do ano. Esses aparelhos não costumam ser lançados no Brasil.

Celulares Pixel 6, do Google, serão lançados nos EUA em diversas cores

Divulgação

Serão duas versões: o Pixel 6 e 6 Pro. A diferença entre os dois está no tamanho e nas câmeras, de acordo com as informações reveladas até agora – a companhia ainda faz mistério sobre alguns detalhes, como memória.

O modelo padrão tem tela de 6,4 polegadas e duas câmeras na traseira. Já o modelo Pro chega a 6,7 polegadas e virá com câmera tripla – o sensor adicional é uma lente telefoto, que permite aproximar imagens em 4 vezes.

Google Tensor

Utilizar um "cérebro" feito em casa é uma mudança significativa para os celulares do Google. A estratégia vai na direção do que a concorrente Apple utiliza nos iPhones.

Até agora, a empresa incluía processadores Snapdragon, fabricados pela Qualcomm, nos celulares Pixel. Os chips dessa companhia estão presentes na maioria dos modelos Android à venda.

O Google não será completamente responsável por itens como CPU (processamento), GPU (gráficos) ou RAM (memória), que impactam na velocidade do telefone. Esses componentes foram licenciados por outras empresas, que não foram reveladas.

Por outro lado, a companhia tomou para si partes do SoC que envolvem segurança e inteligência artificial.

Isso é relevante porque os telefones Pixel são conhecidos por tirar fotos de alta qualidade, embora não tenha sensores de câmera tão poderosos quanto alguns correntes. Para conseguir os resultados acima da média, a companhia investe forte na inteligência artificial para "aprimorar" os cliques.

Google Tensor, chip desenvolvido pela própria empresa

Divulgação

Em demonstrações feitas para a imprensa estrangeira, o Google exibiu uma foto borrada de uma criança que estava em movimento e, graças ao seu chip, conseguiu "salvar" a imagem deixando o assunto mais nítido. Os exemplos de fotografias ainda não puderam ser divulgados.

Outra frente destacada pela companhia aos sites do exterior foram os recursos relacionados com a fala – a possibilidade de ditar palavras para serem escritas quase que instantaneamente ou a tradução em tempo real de um vídeo do francês para o inglês, por exemplo.

Sundar Pichai, presidente-executivo do Google, disse que o Tensor está em desenvolvimento há quatro anos e comparou seu tamanho com um clipe em um post feito nas redes sociais.

Mais detalhes sobre os novos celulares e o chip devem serão revelados nos próximos meses. A promessa do Google é de um telefone "mais útil do que nunca".

Fonte: G1

Comunicar erro

Comentários