Home / Destaque / MPF investiga Cássio Cunha Lima por nepotismo no Senado

MPF investiga Cássio Cunha Lima por nepotismo no Senado

imagem_materia

Ministério Público Federal (MPF) enviou recomendação aos presidentes da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e do Senado Federal, Renan Calheiros, para evitar casos de nepotismo no Congresso Nacional. O documento solicita que sejam destituídos de cargos em comissão, de confiança ou de funções gratificadas todos os parentes até quarto grau de deputados federais e senadores.

No caso dos servidores que exercem cargo de direção, chefia ou assessoramento, a mesma orientação deve ser seguida: seus familiares não devem ocupar cargos de confiança na Câmara e no Senado.

Os documentos do MPF  foram enviados aos presidentes do Legislativo e ainda especificamente a três senadores: Cássio Cunha Lima (PSDB/ PB), Flexa Ribeiro (PSDB/PA) e Telmário Mota (PDT/RR). De acordo do com investigações do MPF, os três têm parentes de até quarto em funções ou cargos comissionados em seus gabinetes. O Ministério Público também pede que os familiares sejam exonerados.

Deputados e senadores estariam se aproveitando de brechas de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), revelam as in vestigações do MPF. Trata-se da Súmula Vinculante nº 13, que veda a titulares de cargos públicos a nomeação de parentes de até terceiro grau.

O MPF entende que a contratação de familiares de quarto grau para ocupar cargos comissionados também configur nepotismo.

“Não existem impedimentos à determinação do quarto grau de parentesco para se confirmar, objetivamente, a ocorrência de nepotismo, já que a Súmula Vinculante nº13 almeja impedir, de forma absoluta, o nepotismo, bem como conferir plena eficácia ao princípio da impessoalidade”, ressalta a procuradora Marcia Brandao Zollinger, em um dos trechos da recomendação.

Os parlamentares têm 30 dias para informar sobre o acatamento das recomendações do MPF.

Congresso em Foco entrou em contato com as assessorias dos senadores Cássio Cunha Lima, Flexa Ribeiro e Telmário Mota. O senador cunha Lima respondeu, em nota enviada por sua assessoria: “Não concordo, mas vou acatar a sugestão do MP”.

A assessoria do senador Temário Mota enviou nota em que afirma:

“A contratação de Telmar Mota foi submetida a apreciação da Consultoria Jurídica do Senado. Ele tem vínculo de parentesco com o senador Telmário Mota em 4º grau, e as contratações no Senado seguiam a orientação da Súmula Vinculante n.º 13 do STF que vetava até o 3º grau. Logo, não houve problemas quanto à contratação. Na semana passada, recebemos a orientação do Ministério Público que foi prontamente encaminhada para a Consultoria Jurídica do Senado para manifestação, diante do conflito de entendimento entre STF e MP. O senador agirá conforme as normas legais e aguarda a manifestação da Consultoria Jurídica do Senado para se posicionar”.

As informações são do site Congresso em Foco.

Sobre Cristiano Ricelli

Cristiano Ricelli

Veja Também

Câmara aprova fim de coligações partidárias nas eleições proporcionais a partir de 2020

Depois de várias tentativas de votação, o plenário da Câmara aprovou no fim da noite ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *