Home / Destaque / MPF apura atrasos e extravio de mercadorias pelos Correios

MPF apura atrasos e extravio de mercadorias pelos Correios

O Ministério Público Federal (MPF) na Paraíba instaurou um Inquérito Civil para apurar uma possível ineficiência na prestação de serviços dos Correios e Telégrafos em João Pessoa. Em portaria publicada no Diário Oficial do Órgão na quinta-feira (22), o MPF pediu que os Correios justificassem, dentro do prazo máximo de 20 dias, os casos de “constantes atrasos nas entregas de mercadorias”.

Conforme o texto, assinado pelo procurador da República, Weber Magalhães Costa, no relatório dos Correios e Telégrafos deve constar: a quantidade de mercadorias recebidas para entrega e efetivamente entregues, mês a mês, no ano de 2017 e em 2018; a quantidade de funcionários responsáveis por tais entregas; o quantitativo de reclamações oferecidas mês a mês em 2017 e 2018 em razão de atrasos na entrega de mercadorias; e eventuais medidas que estejam sendo adotadas ou que poderiam ser implementadas para restabelecer a eficiência no atendimento à população.

Além disso, os Correios devem informar “a quantidade de mercadorias extraviadas, mês a mês, no ano de 2017 e em 2018, bem como a quantidade de reclamações recebidas no mesmo período relacionadas a tais extravios, indicando o procedimento adotado pela empresa quanto ao ressarcimento do remetente e do destinatário”.

Em nota ao Portal Correio, a coordenação de comunicação dos Correios e Telégrafos informou que a estatal “recebeu apenas nessa segunda (26) a notificação a respeito do inquérito civil público aberto pelo Ministério Público Federal. Por conta disso, ainda estão sendo apuradas as informações solicitadas no ofício. A empresa irá apresentar as justificativas requeridas pelo Ministério Público Federal dentro do prazo estabelecido”.

Sobre Cristiano Ricelli

Cristiano Ricelli

Veja Também

Saiba como consultar CPF negativado sem sair de casa e sem pagar nada

Muitos brasileiros estão endividados e precisam fazer consulta de CPF para verificar a situação de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *