Home / Destaque / Investigados na ‘Xeque-Mate’ custam R$ 103 mil por mês para Cabedelo

Investigados na ‘Xeque-Mate’ custam R$ 103 mil por mês para Cabedelo

Prefeito e vereadores afastados e presos na Operação Xeque-Mate provocaram um aumento de pelo menos R$ 100 mil na folha de pagamento da prefeitura de Cabedelo, região da Grande João Pessoa. A operação foi deflagrada no mês de abril pela Polícia Federal e Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba com o objetivo de desarticular um esquema de corrupção na administração pública da cidade.

O prefeito Leto Viana e quatro vereadores continuam presos preventivamente, em regime fechado. Apenas um parlamentar, Júnior Datele, foi solto e cumpre medidas cautelares. Outros cinco vereadores afastados desde o dia da operação, 3 de abril, ainda continuam longe das suas funções.

Esses parlamentares, apesar de presos ou afastados, continuam recebendo os salários. Só na Câmara, o salário de vereador é de R$ 8 mil, enquanto o de presidente é de R$ 12 mil. Com os afastamentos, esses valores são multiplicados pelo número de suplentes que assumiram os cargos de políticos presos.

São nove suplentes de vereadores recebendo R$ 8 mil de salário. Outros nove presos ou afastados também continuam recebendo o salário de mesmo valor. Dois presidentes da Câmara, um preso e um substituto, recebem cada um R$ 12 mil. E dois prefeitos, o interino, Vítor Hugo, e o preso, Leto Viana, continuam recebendo R$ 19 mil.

São R$ 103 mil sacados dos cofres de Cabedelo para pagar o salário de todos os afastados. São R$ 84 mil do legislativo e R$ 19 mil do executivo. No total, a Câmara desembolsa por mês R$ 204 mil para os parlamentares em exercício e para os afastados.

Segundo a presidente da Câmara, Geusa Ribeiro, para o impacto na folha não ser maior, alguns cargos foram extintos. “Economizamos R$ 177 mil. É legal perante a lei que eles recebam suas remunerações”, explicou.

MPPB denuncia 26 investigados

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) denunciou, nesta terça-feira (8), 26 pessoas investigadas pela Operação Xeque-mate, por integrarem uma organização criminosa, em Cabedelo, na Grande João Pessoa. Veja lista de denunciados na Operação Xeque-Mate.

Entre os denunciados estão o prefeito afastado de Cabedelo, Leto Viana; a primeira-dama e vereadora afastada, Jacqueline Monteiro França; o presidente da Câmara Municipal afastado, Lúcio José do Nascimento Araújo; o radialista Fabiano Gomes; o empresário Roberto Santiago; e o ex-prefeito da cidade, José Maria de Lucena Filho (Luceninha); além de vereadores e servidores municipais.

Segundo a denúncia, a organização criminosa surgiu a partir da compra do mandato do então prefeito Luceninha, devido a dívidas contraídas por ele na campanha eleitoral. Desde então, a organização passou a praticar diversos crimes, como desvio de recursos públicos através da indicação de servidores “fantasmas”; corrupção ativa e passiva; fraudes a licitações; lavagem de dinheiro; avaliações fraudulentas de imóveis públicos e recebimento de propina para aprovação ou rejeição de projetos legislativos.

Com G1 Paraíba

Sobre Cristiano Ricelli

Cristiano Ricelli

Veja Também

Governo e caminhoneiros fecham acordo; protesto é suspenso por 15 dias

Governo e representantes de caminhoneiros chegaram a um acordo e a paralisação será suspensa por ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *