Home / Destaque / Bancários agendam assembleia e podem deflagrar a greve na PB a na próxima semana

Bancários agendam assembleia e podem deflagrar a greve na PB a na próxima semana

greve

Seguindo a orientação do Comando Nacional, o Sindicato dos Bancários da Paraíba convocou os bancários de sua base para participarem de uma Assembleia Geral Extraordinária, nesta quinta-feira, 1º de setembro, às 19h, na Sede da Entidade (Av. Beira Rio, 3.100 – Tambauzinho). Em pauta, a avaliação da proposta da Fenaban e deliberação pela aceitação ou rejeição da mesma. Em caso de rejeição, a orientação é aprovar a deflagração da greve por tempo indeterminado, a partir da zero hora desta terça-feira, 6 de setembro.

Mais uma vez a Federação Nacional dos Bancos se nega a oferecer uma proposta decente, que valorize os bancários. Após quatro rodadas de negociação com o Comando Nacional dos Bancários, a Fenaban propôs reajuste de 6,5% no salário, na PLR e nos auxílios refeição, alimentação, creche, e abono de R$ 3 mil.

A proposta da Fenabannão cobre, sequer, a inflação do período, projetada em 9,57% para agosto deste ano e representa perdas de 2,8% para o bolso de cada bancário. Além de rebaixada, a proposta não contempla emprego, saúde, segurança, igualdade de oportunidades e demais reivindicações da categoria.

O Comando Nacional dos Bancários aprovou um calendário de lutas e orienta as Federações e Sindicatos a convocar assembleias de avaliação da proposta para o dia 1º de setembro, e caso seja rejeitada, indicativo de greve a partir do dia 6, com assembleia organizativa no dia 5 de setembro.

“Para o presidente do Sindicato dos Bancários, Marcelo Alves, que é membro do Comando Nacional dos Bancários, a proposta de reajuste é muito ruim. “Além de reduzir salários, a propostaressuscita o artifício do abono salarial, que é um retrocesso.A orientação é rejeitar a proposta rebaixada e deflagrar a greve. Queremos a reposição da inflação e ganho real, um modelo consagrado há mais de doze anos de negociações, porque os lucros dos bancos são suficientes para o atendimento às nossas reivindicações. Mas, ante a falta de seriedade e a mesquinhez dos banqueiros, chegou a hora de cada bancária e cada bancário mostrar a sua disposição para a luta. Afinal, só a luta garante!”, concluiu.

Os eixos centrais da campanha são: reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$3.940,24 em junho), PLR de três salários mais R$ 8.317,90, combate às metas abusivas, ao assédio moral e sexual, fim da terceirização, mais segurança, melhores condições de trabalho. A defesa do emprego também é prioridade na Campanha Nacional, assim como a proteção das empresas públicas e dos direitos da classe trabalhadora.

O lucro dos cinco maiores bancos (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Santander e Caixa) no primeiro semestre de 2016 chegou a R$ 29,7 bilhões, mas houve corte de 7.897 postos de trabalho nos primeiros sete meses do ano. Entre 2012 e 2015, mais de 34 mil empregos foram reduzidos pelos banqueiros.


Redação com Sindicato dos Bancários

Sobre Cristiano Ricelli

Cristiano Ricelli

Veja Também

IMG_1284-e1493082553798

Polícia prende suspeito de matar agente de trânsito em blitz da ‘Lei Seca’ na PB

Rodolpho Carlos foi preso cerca de 90 dias depois do caso Foi preso nesta segunda-feira ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *